Mea Culpa

– E Deus perguntou: “Quem lhe disse que você estava nu? Você comeu do fruto da árvore da qual lhe proibi comer? “Disse o homem: “Foi a mulher que me deste por companheira que me deu do fruto da árvore, e eu comi”. O Senhor Deus perguntou então à mulher: “Que foi que você fez? ” Respondeu a mulher: “A serpente me enganou, e eu comi”. – (Gênesis 3:11-13)

Desde que o mundo é mundo é bom ter alguém em quem pôr a culpa, né?

O homem diz: foi a mulher. A mulher diz: a culpa é da serpente.

Não vemos no homem ou na mulher a capacidade de assumir sua parcela de responsabilidade, mesmo que pequena.

Sem volta, o pecado já estava fazendo seu estrago.

O pecado traz culpa. A culpa traz vergonha e medo. Por medo adotamos como primeira alternativa a transferência da responsabilidade dos nossos atos. É a clássica história do “Quando eu cheguei já estava assim”.

Não queremos saber como resolver, quais os agravantes ou mesmo quem sofreu o que com isso.

É assim, não é?

É, mas não deveria.

Talvez o grande mal do individualismo para a sociedade seja a preocupação com o meu e em como tirá-lo da reta. Basta observar o jeito como lidamos com o nosso consumo, com nossos bens e o modo como nos comportamos em nossas relações de trabalho.

Infelizmente, o que se vê por aí em larga escala é a reprodução desse comportamento padrão adão-eva-serpente.

Um joga para o outro e ninguém assume nada.

Anúncios
Esse post foi publicado em Sem categoria. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s